Xi Jinping, Ursinho Puff, Big Brother Brasil

Quando escrevi minhas primeiras linhas contra o marxismo, sabia que poderia haver conseqüências negativas. Vivendo numa sociedade infectada pelo politicamente correto (leia-se: só um lado pode falar), convalescente moral, hipocritamente pseudo-democrática; e freqüentando ambientes notoriamente constituídos majoritariamente por defensores da esquerda, com tantos e tantos contatos de viés ideológico marxista, cogitei que eventualmente viesse a sofrer algum tipo de represália por parte daqueles que são mais engajados politicamente.

Nunca, nem em meu ambiente de trabalho atual, tampouco em meu ambiente social, desde a época de faculdade, sofri qualquer tipo de sanção, perseguição, reprimenda ou admoestação por expor sem reservas ou filtros aquilo que penso. Fazer faculdade de Filosofia (posteriormente trabalhar em sua universidade) e ser abertamente de direita nunca me trouxe qualquer tipo de conseqüência negativa.

Donde, pela *lhésima vez, reitero que a percepção de quem é de fora é exagerada (beira ser fantasiosa) acerca da suposta ”lavagem cerebral” que ocorre nas Universidades brasileiras.

Isso posto, sigo para o assunto do dia.

Desde que escrevi minhas primeiras linhas contra o marxismo, este meu site começou a ser acessado por servidores (estações de informática) chineses. Eu, assim como praticamente toda a população do planeta que já chegou perto de algum aparelho informatizado, fui incluído no programa de créditos sociais do Partido Comunista Chinês. Por meio desse programa, o PCC lista aqueles que são favoráveis e aqueles que são contra seu regime, sua política externa, sua ideologia etc.

Rotineiramente meu site é visitado pela China, visitas que se tornaram mais freqüentes após eu postar uma imagem caricatural de Xi Jinping que o governo chinês exigiu que fosse removida da internet. Como os sistemas do WordPress não são (ainda) propriedade do PCC, não podem remover meu conteúdo do ar.

Mas podem impedir novos conteúdos de serem postos onde já têm domínio. Meu Facebook me deu strike por eu ter feito uma piada sobre política brasileira. Ao abrir uma conta no Instagram (não sabia que era parte do Facebook), minha primeira postagem foi considerada pornografia. Não consigo compartilhar vídeos, tampouco hospedá-los livremente.

E, para minha surpresa e espanto, ontem foi um dia inusitado. Resolveram vasculhar meu rastro digital, como demonstram os dados de acessso a esta página.

Todas as páginas de meu website foram acessadas em um padrão atípico para bucadores online, mesmo para o Baidu.

 

As pessoas não acreditam, dizem que é teoria da conspiração, que é tudo fantasia. Não entendem o que está acontecendo no mundo. É claro que não tem um espião chinês dedicado a ficar vendo minhas coisas na internet, isso tudo é feito por um algoritmo de forma completamente automatizada. O problema está em quem define o que deve ser programado e o que o programa deve fazer.

Ser apenas mais um ocidental listado como contrário ao regime do PCC representa ser apenas mais uma voz dissidente. Mais um inseto a ser esmagado pela poderosa e invencível democracia chinesa. Ainda bem que hoje em dia cada vez mais e mais vozes se unem em coro. Estamos nos fazendo ser ouvidos e sou grato por fazer parte disso. (Ainda que minha contribuição seja bem pequenina.)

Gostaria que outros também se unissem. Que podem eles fazer contra a idéia de liberdade? Não vão nos calar.


Em tempo, já que querem ficar vendo esta página, segue minha coleção de memes de sua majestade: