A solução de problemas e a simulação – Parte 1

APRENDER A RESOLVER PROBLEMAS E RESOLVER PROBLEMAS PARA APRENDER
María del Puy Pérez Echeverría
Juan Ignacio Pozo

Claxton (1984) relata um episódio engraçado ocorrido com um professor em um bairro periférico de uma cidade norte-americana, que perguntou a um menino negro quantas pernas têm o gafanhoto. Ao que parece, a criança olhou tristemente para o professor e respondeu: “Tomara que eu tivesse os mesmos problemas que o senhor!”. Fica claro, como mostra esta anedota, que o termo problema pode fazer referência a situações muito diferentes, em função do contexto no qual ocorrem e das características e expectativas das pessoas que nelas se encontram envolvidas. Todos os professores acabam aprendendo que os problemas que expõem aos seus alunos em sala de aula podem diferir consideravelmente dos que eles próprios se colocam fora da classe. E mais, o que para nós pode ser um problema relevante e significativo pode resultar trivial ou carecer de sentido para nossos alunos. Obviamente, eles não têm os mesmos problemas que nós. E, no entanto, um dos objetivos explícitos da Educação Básica, tanto no 1º como no 2º Graus, é fazer com que os alunos não somente se coloquem determinados problemas mas que cheguem, inclusive, a adquirir os meios para resolvê-Ios.

Texto completo: pozo-cap 1


Fonte: http://disciplinas.stoa.usp.br/pluginfile.php/6831/mod_resource/content/4/pozo-cap%201%20.pdf