Discussão e debate no país dos analfabetos.

Ao final de meu último texto, 200 milhões de babacas, fiz uma pergunta: por que ainda há pessoas que defendem a ”esquerda” no Brasil? E o que era para ser uma simples reflexão se tornou um texto de várias páginas.

Na primeira parte desenvolvo uma perspectiva geral sobre a situação de ignorância coletiva em que a imensa maioria da população chafurda. Demonstro a distância entre os valores estatísticos e seu significado para em seguida analisar os dados acerca da produção acadêmica contemporânea.

Preparo então uma ponte entre a primeira e a segunda partes, entre a ignorância e uma cultura que inadvertidamente a sustenta e a perpetua.

Na segunda parte comento sobre a realidade cultural brasileira criticando-a, mostrando a semente da formação de mentes polarizadas e inaptas ao confronto de idéias. Discrimino em seguida as diferenças conceituais entre opinião e argumento, discussão e debate.

Na terceira parte retomo o exposto nas duas primeiras, correlacionando a inépcia de autoformação e autoconstrução de pensamento com a ignorância coletiva. Em seguida analiso caso a caso minhas hipóteses sobre os motivos que levariam alguém a defender os ideários da assim chamada ”esquerda”, finalmente respondendo à pergunta inicial.