A Páscoa e os valores sociais

Editado em 25/04/2022: correção a partir de outros argumentos.

A maioria dos cristãos desconhece os princípios de sua própria religião, não entende sua mensagem, não compreende a proposta da história de Jesus. O texto de hoje é inspirado por pensamentos advindos de uma Páscoa celebrada lado a lado com o Carnaval.

1ª parte: minhas considerações acerca da data propriamente

Antes, vamos relembrar um pouco de história antiga e contemporânea. Nossa sociedade ocidental latina é formada por três grandes valores: o direito romano, a ética grega e a moral cristã. Ainda que haja críticas quanto a cada um dos três pontos, o mero fato de estarmos inseridos na sociedade torna inescapável a influência desses valores na formação dos indivíduos enquanto constituintes da sociedade mesma. Vivemos, pois, numa sociedade eminentemente cristã, ou ao menos que se diz ser cristã.

Católicos, protestantes, kardecistas e (certo modo) umbandistas, cada qual celebra a vida e a morte de Jesus à sua maneira, e interpreta sua mensagem também a seu modo. Para a esmagadora maioria da população, o principal evento é o Natal do Senhor, comemorado em 25 de dezembro. Pouco se diz que tal feriado é uma corruptela das antigas celebrações pagãs do solstício, a mais longa noite do ano no hemisfério norte (e o dia mais longo no hemisfério sul, daí o calorão). Ninguém sabe ao certo qual o dia de nascimento de Jesus de Nazaré, de tal sorte que era necessário arbitrar uma data. A Igreja Católica e o Império Romano, com vistas a substituir as religiões anteriores pelo cristianismo como religião de estado, optaram por usurpar a antiga tradição das Saturnálias, substituindo-as pela nova religião. Tal movimento, em meu entender, deu-se a partir de um já existente sincretismo religioso, muito parecido com a relação entre o Candomblé africano dos escravos negros e o Cristianismo dos escravistas. Sendo os cristãos, originalmente, em menor número e perseguidos, parece-me plausível supor que utilizavam as celebrações oficiais a seu modo, tal como os candomblecistas ocultavam seus orixás, fazendo-os passar por santos cristãos. Especulo que, ao chegarem oficialmente ao poder, tão somente formalizaram e ritualizaram o que já era prática corrente.

Assim, com o passar do tempo, surge o Natal que conhecemos. Os presentes vêm da antiga tradição romana de presentear no aniversário, o banquete se dá por ser uma festa em celebração, e a bagunça é por safadeza mesmo. Assim, a maior nação cristã do hemisfério sul celebra com mais ardor o Dia de Papai Noel por ter presentes, consumo desenfreado, churrasco, bebedeira e esbórnias, que emenda etilicamente até dia 2 de janeiro, quando o povo sente a ressaca e tenta voltar ao meio-trabalho, pois trabalho de verdade, só após o Carnaval. Já escrevi sobre isso anteriormente.

E se esquecem completamente de que o dia mais importante da religião cristã é a Páscoa, ou ”Domingo da Ressurreição”. De que os eventos do martírio à ascensão são a fundamentação de toda a mensagem da história do cristo. Eu não quero entrar aqui na discussão da origem da Páscoa, de como o feriado judaico se relaciona com os festejos à deusa da fertilidade primaveril Istar / Astarte / Eostre / Ostara (Easter em inglês), de que ovos e coelhos simbolizam a fertilidade dos animais, e das orgias em honra à deusa. Neste texto, quero apenas me referir à Páscoa cristã, seu significado e o que ela deveria a princípio representar para as pessoas desta sociedade. (Apenas como nota, a Páscoa judaica comemora a data da saída dos hebreus do Egito, o dia da libertação. Para os cristãos, foi ressignificada como a libertação por meio de Jesus.).

Quando você pergunta para um cristão o que Jesus fez de tão importante, a primeira coisa que ele vai ter responder é: ”ele morreu por nós”, ou ”ele morreu por nossos pecados”, ou qualquer coisa do tipo. E, quando você pede para a pessoa explicar o que isso significa, surge um sem número de explicações estapafúrdias que nada explicam e apenas demonstram que o seu interlocutor é mais um analfabeto funcional.

A afirmação de que Jesus ”deu a vida por nós” é uma intepretação errada. Sua história diz claramente que ele ressuscitou ao terceiro dia. Ele só teria ”dado sua vida” se tivesse continuado morto, oras! Jesus, portanto, deu foi só um final de semana… O cerne, o princípio, o fundamento, o núcleo, a base da religião cristã é este: Jesus não morreu por nós, ele venceu a morte por nós. E entender o que isso significa faz toda a diferença. Mas vivo numa sociedade infestada de falsos imaculados que batem no peito e bradam aos quatro ventos que são seguidores de cristo, mas não entendem (nem seguem) o mais básico princípio de sua religião. Isso me enfastia, me irrita, me incomoda. Como podem professar algo que não entendem? Como podem pretender ensinar algo que não sabem? E então tenho eu, que não sou cristão, que vir e gastar minhas letras para explicar isso? Que seja.

2ª parte: a Páscoa, por Pedro Figueira

O que será que Jesus quis dizer aqui???

Quando Jesus afirma ser o caminho, ele está dizendo que sua vida é o exemplo de vida a ser seguido, a ser trilhado. Uma vida pacífica, compassiva, branda e vigorosa. Com sua própria vida ele demonstra como seguir o caminho de retidão, mesmo que o mundo inteiro esteja contra você, e que deve se manter firme nessa senda frente a toda e qualquer adversidade. Que será difícil, que muitos o tentarão para que se desvie, que muitos testarão sua convicção, que encontrará aqueles que nem melhoram a si mesmos nem aceitam que os ao seu redor progridam. Que ao dar as costas a um mundo corrupto/adúltero, que ao não aceitar corromper-se/adulterar-se como os demais, você fará inimigos, mas também encontrará amigos. Que você também poderá inspirar os demais a libertarem-se da influência do mal.

Ao aceitar as agressões sem revidar (Mateus 5:39; Lucas 6:29), você demonstra que não é escravo do orgulho tolo que compele a agir conforme brios e melindres, e também que recusa a violência como primeira forma de se defender. Ao compreender e perdoar seus desafetos (Mateus 18:22 ; Lucas 17:4), você pára o ciclo de raiva e vingança de nossa sociedade beligerante. Ao agir com parcimônia com seus bens, tomando para si só o necessário (Marcos 10:21)¸ você demonstra que a vida material está em segundo lugar comparada à espiritual. E ao enfrentar veementemente os homens de má-fé (João 2:15), você coloca seus princípios frente a todas as outras coisas.

Ao dar aos poderosos o que eles querem (Mateus 22:21), você os deixa soterrarem-se em sua própria ganância, perderem-se por sua própria cupidez, inebriarem-se em seu próprio falso poder, devorarem-se por seu próprio ego. É exatamente nisso que está o significado do martírio e da crucificação: mesmo sendo assassinado mediante tortura, manter-se íntegro ao ideal que representa. Demonstrar que a vida espiritual é muito mais importante que a mundana vida material, e que é naquela onde se encontra a verdade de todas as coisas. Demonstrar que a riqueza, o poder, os títulos e todas as coisas a que os homens dão valor neste mundo de nada valem frente à vida espiritual.

A mensagem não está na morbidez com que expectadores ávidos por brutalidade assistiram ao filme ”A paixão de Cristo (2004)”, atentos ao espetáculo de um sacrifício humano, tal como povos tribais primitivos imolam cordeiros para ”expiar pecados”. Ela está no ato da ressurreição, no símbolo de que mesmo contra tudo o que puderem fazer contra ti, sua vida e o que você representa continuará eternamente, vencendo a morte todos os dias na memória daqueles que lhe seguirem no caminho correto. No símbolo de que não podem matar o espírito, de que os poderosos deste mundo nada podem contra o que vem do alto. Na perpétua esperança da vitória do bem sobre o mal. Afinal, se ele pôde enfrentar toda essa dor por sua fé, o que são os meros contratempos e inconvenientes da vida para nós?

O exemplo de vida pacífica é o caminho e a recompensa por trilhá-lo é a memória da vida após a morte do corpo. Porém vejo as pessoas se lembrarem apenas das partes da vida de Jesus que mais lhe interessam e se distanciarem diariamente de seus ensinamentos. Querem o cumprimento de uma antiga promessa, mas não querem o esforço de serem merecedores dela. Querem aceitar cristo apenas pela esperança de viverem eternamente, ou de terem seus desejos satisfeitos no paraíso, tal como fosse um jardim de delícias. Têm olhos, mas não vêem; têm ouvidos, mas não escutam. (salmo hebraico 115; Mateus 13:13). E eu os vejo fofocar, espiar e maldizer, quando lhes foi dito para arrancarem seus olhos frente ao escândalo (Mateus 5:29). Eu os vejo cobrirem-se de ritos e vestes e cânticos e procissões, quando lhes foi dito para orarem em silêncio em seus quartos (Mateus 6:1).

A Páscoa é momento de comemorar a retidão de vida intimamente. Como pode a Igreja pedir modéstia, quando incoerentemente seus sacerdotes encapotam-se em sete vestes e enfeitam-se em púrpuras? De que vale persignar-se em cinzas para então colocar selfie no Instagram? De que vale o senta e levanta e ajoelha sem fim, ou louvores aos berros frente a multidões? Sua recompensa, pois, está dada nos likes que recebe pelas redes sociais. Está dada pelos comentários benfazejos dos demais ”obreiros”, que certamente também lhe notaram as vestes com que foi ao culto. Está dada conforme pediu (Mateus 7:7, Marcos 11:24; Lucas 11:5) e não lhe foi negada. Nada o é.

Depois, acrescenta: “Tome a sua cruz aquele que me quiser seguir”, isto é, suporte corajosamente as tribulações que sua fé lhe acarretar, dado que aquele que quiser salvar a vida e seus bens, renunciando-me a mim, perderá as vantagens do reino dos céus, enquanto os que tudo houverem perdido neste mundo, mesmo a vida, para que a verdade triunfe, receberão, na vida futura, o prêmio da coragem, da perseverança e da abnegação de que deram prova. Mas, aos que sacrificam os bens celestes aos gozos terrestres, Deus dirá: “Já recebestes a vossa recompensa.” (ESE XXIV, 19)

Mas isso não traz conforto ao homem de nossa sociedade… Não basta ser cristão, é necessário que todos o vejam sendo. Que vejam o quanto é bom, que vejam o quanto é um bom exemplo aos ”olhos do senhor”, tal como fariseus e publicanos. E que melhor exemplo do que o de ser um homem próspero? Que melhor exemplo de ser abençoado do que uma gorda conta bancária? Pois a benção, isto é, o ”bem em ação”, não lhe é o bem viver, mas os bens em sua posse, ao cúmulo de escrever em suas faces: ”foi deus quem me deu”. Pois a história de Jesus não lhe chama a atenção pelo exemplo de bem viver, tampouco pelas poéticas recomendações de boa ação. Não… pois as pessoas dão mais valor ao fenômeno do que à mensagem, ao extraordinário do que ao significado, à imagem do que à palavra. Pois ”Jesus venceu o mundo”, e vencer o mundo lhes significa ter superpoderes, caminhar sobre o mar, curar os enfermos, voar e soltar raio laser pelos olhos.

Vencer o mundo, pois, é tê-lo em suas mãos, moldá-lo conforme sua mesquinha vontade e saciar seus desejos de fama, fortuna e glória… A vitória de cristo converte-se em vitória financeira. Esse hodierno ”evangelho da prosperidade” deixaria corados mesmos os mercadores do templo de Jerusalém (ou talvez não: algumas coisas não mudam com o tempo…). Qual parte do ”meu reino não é deste mundo” não entendem? (João 18:36) Mais uma vez, qual parte de depreciar a mundanidade e entregar-se à espiritualidade não entendem? Que a riqueza dos homens nada vale perante a riqueza dos céus? (Lucas 18:24) De dar a César o que é de César, de não servir a Mammon, de repudiar as tentações do deserto? (Mateus 4:1)

A história diz que Jesus veio justamente libertar o homem disso, mas fazem exatamente o contrário… Viver ”em cristo” é viver dentro de sua nova proposta de vida. Seguir o caminho com cristo é seguir seu exemplo de vida. Não se trata de realizar milagres assombrosos, ou ficar rodando como pião, balbuciando sílabas desconexas. Vencer o mundo significa seguir o caminho do bem, mesmo contra todas as adversidades.

Vejo que as pessoas não entendem o que significa o ”sangue da nova aliança”. Nisto considero necessário retomar um pouco os textos mais antigos. Os judeus esperam a chegada de um messias, um rei para a construção de um mundo novo. Jesus afirmou que não veio para repudiar as escrituras, mas para cumpri-las. (Mateus 5:17) Uma vez cumpridas, encerra-se a parte pretérita e se constrói uma nova aliança entre os céus e os homens, selada simbolicamente por seu profetizado martírio e representada pelo seu sangue. Enquanto que nas alianças anteriores muitos morreram, desta vez apenas um morreu, dando seu exemplo a ser seguido pelos demais. Para os católicos, ela é representada no fenômeno da transubstanciação que ocorre durante a consagração da hóstia e do vinho. Assim, dentro da cultura judaico-cristã, com sua vida, Jesus liberta os homens de seus pecados passados e funda uma nova lei acerca de si mesmo, sendo essa libertação o novo significado da Páscoa.

Pois toda a Lei se resume num só mandamento, a saber: “amarás o teu próximo como a ti mesmo”. (Gálatas 5:13, Marcos 12:28; Lucas 10:25, Mateus 22:39). Todo o resto fora tão somente a tentativa de interpretação da lei divina pelos homens. Ao apresentar-se como o messias, como o novo rei, ele cumpre a lei anterior e, com seu poder real, estipula a nova era. A libertação que Jesus deu aos homens com sua vida, a Páscoa, encerra (ou ao menos deveria ter encerrado) a época de guerras santas, dos holocaustos, dos comportamentos tribais, da obsoleta lei judaica, e funda uma nova era de amor ao próximo, de paz na terra e boa vontade entre os homens. Liberta o homem das amarras terrestres, da avareza material, das questões mundanas menores; liberta-o para perseguir o crescimento espiritual e as riquezas dos céus. A história ensina que Jesus vence a morte, assim nem mesmo a toda-poderosa morte pode impedir o aperfeiçoamento moral do homem. Essa liberdade última é a Páscoa do Senhor.

Nisso vejo uma proximidade entre o Xintoísmo e a simplicidade da mensagem de Jesus. Dentro do Xintoísmo, considera-se que a natureza, as divindades e o homem são naturalmente bons e puros. As faltas e falhas são oriundas das influências malignas de espíritos inferiores. O homem, pois, sabe naturalmente qual é o caminho correto, não sendo dependente de um conjunto restrito de normas morais. Os preceitos de pureza estão acima dos ritos e dos cultos, tornando a moralidade xintoísta generalista, vaga e simples, sem rigidez ou codificação.

O teólogo xintoísta Motoori (1730-1801) apresenta a teoria de que os homens foram dotados inatamente dos conceitos do certo e do errado, por isso não precisam de códigos morais. Se precisassem, seriam inferiores aos animais, que sabem como proceder. Para ele, quanto menos códigos, mais o homem se guia pela moral do coração e pela pureza espiritual. Já as abundantes teorias morais refletem uma sociedade de pessoas perversas e depravadas.

Mas o que vemos? Que muitos dão mais valor a picuinhas do que à nova aliança, a discussões verborrágicas acerca dos textos sagrados antigos, e até à aplicabilidade dos deuteronômios contemporaneamente. Crêem num deus único onipotente, capaz de fazer colidir estrelas e ordenar os átomos, e que essa divindade, por alguma razão, gosta de fiscalizar o que as pessoas fazem com seus traseiros. E que isso é mais importante que o amor e a caridade para com o próximo. O sujeito pode ser um anjo que caminha sobre a terra, mas só se escutam as fofocas sobre o que faz na cama, as roupas que veste ou suas escolhas alimentares. Muitas regras para uma sociedade perversa e depravada.

3ª parte: da hipocrisia social

Pieter Bruegel, O Combate do Carnaval e da Quaresma – 1559, detalhe.

Falando sobre depravação, chegamos à motivação deste texto: a correlação entre a Páscoa e o Carnaval. Neste ano pós-pandemia, a quem de direito cabe decidir decidiu decididamente que o Carnaval seria celebrado na semana do domingo de Páscoa. E não vi reclamações sobre isso. Confesso que fiquei um tanto estupefato com a idéia de haver Carnaval tão logo o fim das restrições pandêmicas, com a época do ano inusitada, enfim com tudo o que envolve o assunto.

É de notório saber público que os donos das escolas de samba do Rio de Janeiro e de São Paulo são ligados ao jogo do bicho. Contravenção tipicamente tolerada, até mesmo certos agentes públicos fazem suas apostas de vez em quando… Não é de hoje que aparece nos noticiários policialescos que volta e meia eles matam uns aos outros por disputas sobre áreas de jogatina. São essas as pessoas responsáveis pelo Carnaval e, para organizarem o evento, utilizam-se dos sempre parcos (os prefeitos sempre choram miséria) recursos do erário público. Desse modo, a sociedade carioca/paulista usa anualmente dinheiro do pagador de impostos para licitamente enriquecer contraventores.

Basta observar os vínculos políticos de tudo o que está envolvido: chefe de tráfico, escola de samba, pão e circo, orgia e jogatina, prefeito e eleições. O Carnaval é, portanto, a perfeita representação de como funciona a vida política nos municípios brasileiros. Dá-se um pouco de divertimento anual à custa de quatro anos de péssimos serviços públicos. Nada disso me é novidade, mas o que realmente me incomodou desta vez foi a hipocrisia geral da população, sua completa falta de noção da realidade.

Ao fazer uma grandiosa festa fora de época após o anômalo período de dois anos, busca-se demonstrar o ”retorno à normalidade”. Mas como dizer que voltamos à normalidade após uma fase tão conturbada e transformadora quanto a pandemia? Onde, então, está a crise de que tanto falam? Onde está a inflação, o preço dos gêneros no mercado, o preço dos combustíveis, o desemprego, o atraso escolar, e o genocídio de que a TV tanto falou? E a questão das vacinas… Há realmente clima para festejos? Seria esse Carnaval uma forma de extravasar a angústia de dois anos perdidos, ou será que a tal crise não é tão crítica assim?

Esquecem-se facilmente dos mortos e da ladroagem. Das famílias que não puderam enterrar dignamente seus entes queridos, e dos bilhões desviados em hospitais de campanha superfaturados. Por que buscar punir esses grandes infratores, se o povo mesmo deseja impacientemente, por sua vez, descumprir suas pequenas obrigações? Ironicamente celebram sua escravidão à devassidão (anti-pascoalina) na semana da Inconfidência (anti-governamental). Optam pela prisão de seus vícios e costumes em lugar de aproveitar a oportunidade que a vida lhes deu para suplantar velhos hábitos e libertarem-se para uma vida nova. Abdicam da Páscoa do Senhor em favor do Bacanal Dionisíaco: Panis et circenses.

Eu não sou puritano. Acredito que cada um deva cuidar de sua própria vida da forma como melhor lhe convier e seguir o seu próprio caminho. Cada qual que decida o que fazer com o tempo que lhe foi concedido nesta terra. A orgia, a jogatina, a embriaguez e todas as coisas ruins que se dão livremente durante o Carnaval (em qualquer época do ano, só que no Carnaval a bagunça é socialmente tolerada) são escolhas individuais, e as lições que eventualmente aprenderão com essas escolhas também.

O que eu defendo é que há lugar e hora para tudo. Desde a Grécia antiga (veja aí os valores), os festivais eram o momento apropriado para contemporizar as convenções sociais e fazer o que não era socialmente permitido durante o tempo comum. De criticar os governantes (sem medo de represálias), de embriagar-se publicamente, de buscar prazeres carnais. O Carnaval é exatamente o descendente desse antigo costume, de dar a uns poucos dias do ano tolerância para transgredir os protocolos, como uma salutar forma de escape.

E por isso ele é celebrado antes da Quaresma. Esse distanciamento temporal é uma forma de respeito religioso ao tempo da Páscoa. A momentânea subversão à ordem (liberdade mundana) antecede quarenta dias de jejum e penitência, isto é, antecede a preparação espiritual para comemorar a liberdade dada por Jesus Cristo (liberdade espiritual). Ao celebrar lado a lado Carnaval e Páscoa, a sociedade demonstra ter esquecido suas raízes e valores, quais as origens de suas datas festivas, quais os motivos para festejar. As celebrações agora nada passam de datas e feriados, de dias para ovos de chocolate e carros alegóricos, de dias de comércio fechado e bares abertos, festas por serem festejos e nada mais. Esse esquecimento dos valores fundantes da sociedade é de gravíssima periculosidade.

4ª parte: as conseqüências de uma sociedade que esquece seus valores

A sociedade ocidental está enfrentando, como escrevi anteriormente, dois grandes inimigos, a saber: o comunismo e o islamismo. O primeiro, uma ideologia materialista que visa a desvirtuar a sociedade, especialmente os jovens, conspurcando os valores tradicionais e substituindo-os pelo poder do Estado e do Partido. O segundo, longe de ser uma religião, trata-se de uma ideologia política teocrática, conforme já escrevi aqui. Este último, muito mais agressivo, tem encontrado na Europa terreno fértil para disseminar-se, exatamente porque a sociedade ocidental vem continuamente preterindo seus valores tradicionais em favor das novíssimas ideologias da cartilha neomarxista pós-moderna. Aqui parece que dou um salto, mas não: eu vejo claramente uma conexão entre todas essas coisas.

Nossa sociedade brasileira é em muito beneficiada pela geografia, que, dentre outras coisas, nos mantém fisicamente longe de áreas politicamente problemáticas na esfera terrestre. Porém, ainda que não sintamos diretamente o problema, não significa que ele não existe. Ele existe sim e, caso continue crescendo, poderá se tornar também uma grande dor de cabeça para nós.

Continuamente a sociedade perde a reminiscência de seus valores. Fato agravado ainda mais neste país sem memória, alguns valores maiores são mantidos apenas pelos costumes tradicionais. Ou seja, sem maiores reflexões, a nação e os indivíduos funcionam praticamente no piloto automático. Preocupa-me como enfrentaremos esse problema quando aqui ele chegar, uma vez que, mesmo neste período de aparente paz, sem intervenções diretas dos agentes interessados no caos, somos incapazes de valorar nós mesmos.

Neste período de Páscoa, os ”agentes interessados no caos”, por meio da grande mídia, ocultaram o problema dos ataques muçulmanos a cristãos. Com o objetivo de impedir as celebrações da Páscoa cristã, muçulmanos realizaram violentos distúrbios por toda a Europa. Veja as imagens:

Em resposta, cristãos fizeram manifestações contra esses ataques, que logo foram alcunhadas como ”manifestações de extrema direita contra os imigrantes”, ou ”manifestações anti-islâmicas”.

Nas redes sociais, encontramos exemplos de protestos virtuais contra a ocupação islâmica na Europa, tais como na galeria a seguir.

O modus operandi está claro: primeiro destroem os valores tradicionais; destroem os valores familiares; destroem o senso de pertencimento a uma nação; paulatinamente retiram as liberdades individuais; enfraquecem um povo, tornam-no manso; e finalmente tomam-lhe o poder. Está acontecendo na Europa (mais adiantado), está acontecendo nos EUA (há resistência), está acontecendo em vários países da América Latina (em menor grau) e está acontecendo no Brasil (incipientemente). O povo brasileiro está esquecendo suas origens, suas tradições, seus símbolos, o significado dos eventos sociais. Esta geração está perdendo as referências de seus antepassados e seus valores. Não há vácuos no mundo político e social: sempre há algo para ocupar o lugar do que se perdeu. Quando os valores da sociedade ocidental se perdem, o que tomará o seu lugar?

Deixo, mais uma vez, a quem por aqui passar, o alerta de um perigo que ainda está longe, mas que está se aproximando cada vez mais. Pois ser brando e pacífico não significa ser um cordeiro esperando placidamente por seu abate.

Ele lhes disse: “Mas agora, se vocês têm bolsa, levem-na, e também o saco de viagem; e, se não têm espada, vendam a sua capa e comprem uma.” Lucas 22:36